Um doidivanas mostra o seu saber por intermédio das palavras e um pouco da imagem. Poemas, opiniões, revisões. Uma mistura de sociedade e tecnologia. Com temáticas conforme me vou lembrando de escrever.

quarta-feira, 18 de março de 2009

A abstração de um programador!!

1 comentário

Esquecimento do exterior é normal num programador!


Recordo-me de um momento engraçado que se passou quando tive formação de administração de redes.
Este exemplo mostra bem o quanto um ser pode rejeitar o que o rodeia e concentrar-se só no seu objetivo ignorando tudo o que o rodeia.

Eram pouco depois das 15h e a chuva caía forte, na sala de formação estava-se em altura livre para cada um explorar os conhecimentos como queria.
Eu tinha acesso a um servidor solaris e estava a testar quanta carga o servidor aguentava, estava admirado com a resposta da máquina!
Entretanto o meio do tecto da sala caiu! Como foi mesmo no meio não afectou ninguém. Começou a chover na sala e o caos começou.
Só depois de mais de meia hora é que desligaram a luz, obrigando-me a andar à procura de outro computador numa sala vazia para voltar aos testes, e continuava surpreendido pois a máquina aguentou com mais de 50.000 processos e ainda dava resposta.
Quando mandei à máquina matar todos os processos já os colegas tinham ido para casa e eu fiquei contente com a prestação de uma máquina que nunca julguei tão capaz.
Fui embora satisfeito e orgulhoso dos testes que fiz, a chuva essa já era fraca não deu para chegar molhado a casa.

E lembrei-me de partilhar esta história para ajudar a entenderem um pouco mais a mente de um programador informático que concentrado no código, nos prazos e nas reuniões é bem capaz de esquecer tudo o resto que o rodeia, ou pelo menos perder a noção enquanto não resolver o problema que lhe foi proposto.

Sei que estas palavras não justificam um colega se ter esquecido do filho no carro ao ponto de ele morrer, mas posso dizer que entendo. A abstração e a obsseção pelo trabalho deu-lhe a morte do filho, isso para ele já deve ser pena suficiente.
Para a mãe da criança deve ser complicado perdoar, perdido o amor de mãe. Mas ainda existe amor escondido no sofrimento e pode ser esse mesmo amor a permitir o perdão de algo inédito, mostrando ao mundo a força do amor que no bom entendimento e mesmo com sofrimento consegue perdoar.

Para quem não conhece a notícia pode vê-la aqui (Fonte RTP).


Philo Philos Pachem

1 comentário :

  1. Interessante mesmo...às vezes deixamos de realizar coisas por anteciparmos a idéia que que não funcionará ou não dará certo!!
    Gostei do que escrevestes e decidi acompanhar seu blog.
    Bom final de semana pra ti.

    ResponderEliminar