Um doidivanas mostra o seu saber por intermédio das palavras e um pouco da imagem. Poemas, opiniões, revisões. Uma mistura de sociedade e tecnologia. Com temáticas conforme me vou lembrando de escrever.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

A professora e a pedagogia

1 comentário
E já lá vão os tempos em que se uma criança chega-se a casa e dissesse que levou da professora ainda era capaz de levar mais. Eu sou do tempo intermédio entre a vara e a reguada, uma usou a vara para demonstrar, funcionou. A outra usava a régua sempre que era preciso e até quando não era preciso.

Lembro-me de uma vez um amigo e colega de turma não estar com imaginação para uma composição à escolha e fez uma composição que se resume a isto: 'E o pastor foi pastar com as ovelhas'. Levou réguadas e a professora explicou que o pastor não pasta, quem pasta são as ovelhas disse ela toda indignada, sem saber porque é que o aluno não está com abertura mental para escrever. Julgou-o pelas poucas palavras e ainda por cima mal expressas, sem saber o que o aluno está a passar, sem entender que o seu pensamento não estava na aula e o momento da composição foi óptimo para a reflexão interior dos problemas em casa. Não foi pela frase nem pelo erro com as palavras que fiquei indignado foi com a atitude da professora, castigou e apelou à vergonha. E o amigo recebe mais um pouco de energia negativa. Nada de mais, pois já se está a tornar um hábito.

Agora está a chegar o tempo em que pela pedagogia e entendimento o aluno seria entendido e bem ensinado, mas ele agora pensa que é livre e rebelde e como o ensinar é imposto calmamente, a passividade e tentativa de compreensão levou ao extremo. Os alunos faltam ao respeito e a professora têm que baixar a bola, pois os pais se for bem preciso ainda vão à escola maltratar a professora.

A pedagogia devia ser livre e espontânea, ser exercida pelo pedagogo quando o pupilo estivesse com disposição ou vontade de saber, submetendo-se aos seus métodos de ensino só nesse momento. Não seria preciso escolas, apenas mentores, guias, pois se o aluno despertasse, tinha acesso à informação e só aquilo que por palavras ou imagem lhe despertou dúvida é que ia falar com o mentor. Tudo bem combinado era o que por enquanto parece uma utopia, mas é a única forma do ser humano ter uma educação activa e durante toda a vida.

Mas eu adoro utopias, e confio que a malta jovem desperte e ganhe uma boa consciência, pois é disso que o mundo precisa, cabecinhas conscientes.

1 comentário :

  1. Pois então, portugal tem uma escola famosa por esse tipo de pedagogia que vc citou. A Escola do Porto, se nãome engano.

    ResponderEliminar